Os Direitos Econômicos fazem parte da Declaração Universal dos Direitos Humanos e são expandidos no Pacto Internacional de Direitos Econômicos e Sociais e Cultural (1966), posteriormente completado com direitos ambientais.

Uma cidade, um território, não é um ambiente atraente para a convivência se não tiver acesso a empregos decentes, em condições de igualdade, acesso a benefícios da seguridade social, condições de saúde no trabalho, proteção contra o desemprego, direito a aposentadoria decente, ou o direito de se organizar.

Cidades e territórios, como um todo urbano-rural, são cenários de violência geradas pelas desigualdades econômicas e pela violação desses direitos. Mas, Eles também são o cenário onde as iniciativas podem e devem ser realizadas para influenciar sobre oportunidades de melhoria.

Economia social e solidária, cláusulas de contratação pública, promoção de economia circular, agências de desenvolvimento local, mecanismos financeiros voltados para a promoção dos ODS …, uma ampla agenda de iniciativas que podem ser promovidos na cidade e no território para corrigir as desigualdades econômicas, e, assim, construir convivência e paz.